Sobre Marcus Lucenna

Este site mostra o trabalho do jornalista, escritor e poeta-cantador Marcus Lucenna. Membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC), é um militante pela valorização da cultura nordestina e memória-viva da história do forró de raiz.

Marcus Lucenna comanda vagão de Luiz Gonzaga no Trem do Forró

Marcus Lucenna

Marcus Lucenna

Marcus Lucenna é uma das atrações do trem da Supervia que partirá da Central do Brasil, no Centro do Rio, neste domingo (14/10), rumo a Duque de Caxias repleto de forrozeiros que se apresentarão a bordo. A partida da composição será às 13h, mas a partir das 10h a estação já recebe uma programação de shows de forró no último dia da semana de comemoração pelo Dia do Nordestino (8/10).  A entrada custa a tarifa do trem (R$ 4,20).

Continuar lendo

Chambinho do Acordeon é a “participação internacional” no álbum de Marcus Lucenna

Chambinho do Acordeon grava canções com Marcus Lucenna

Divulgação Chambinho do Acordeon

Ele tem levado o forró para além das fronteiras internacionais. Já fez shows na Europa, América do Norte, Ásia e, recentemente, cumpriu turnê pela Austrália. Sua voz, que tem encantado brasileiros e gringos, pode ser ouvida no álbum “Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz”, mais novo trabalho de Marcus Lucenna. Trata-se de Nivaldo Expedido de Carvalho, o Chambinho do Acordeon.  Continuar lendo

Canção de Marcus Lucenna homenageia a literatura de cordel, reconhecida nesta quarta como Patrimônio Cultural Brasileiro

No momento em que celebram o reconhecimento, nesta quarta-feira (19/9), do seu ofício como Patrimônio Cultural Brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), os cordelistas ganham uma homenagem musical do poeta-cantador Marcus Lucenna em seu novo álbum, “Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz”, lançado recentemente. É a canção “A Mala do Folheteiro”, a 13ª faixa do CD que faz referência ao universo da literatura de cordel.

Composta em parceria com Klévisson Viana, a canção cita cordéis antológicos, como “O Romance do Pavão Misterioso”, “A Vida de Pedro Cem”, “O encontro de João Grilo com Pedro Malazarte”, “As perguntas do Rei e as respostas de Camões”, além dos romances de bravura sobre vaqueiros valentes e seus amores. Tudo isso como conteúdo que recheia as tradicionais malas de couro usadas por cordelistas ou vendedores de cordéis (ou folhetos) para levar seu produto para ser comercializado em locais públicos das cidades.

Continuar lendo

Marcus Lucenna e grandes nomes do forró nacional homenageiam a Feira de São Cristovão

No mês em que comemora aniversário – 73 anos de fundação e 15 anos dentro do Pavilhão de São Cristóvão –, o Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas do Rio acaba de ganhar uma homenagem musical feita por importantes nomes da cena forrozeira nacional.

Composta pelo poeta-cantador Marcus Lucenna, ex-gestor do local, a música “Hino da Feira de São Cristóvão (Vida retirêra)” foi gravada por ele com as participações de Adelson Viana (considerado sucessor de Dominguinhos), Marcelo Mimoso (que interpretou Luiz Gonzaga no teatro), Chambinho do Acordeon (que viveu o Rei do Baião no cinema), Neidinha Rocha (da Orquestra Sanfônica do Rio) e Jadiel Guerra (coordenador do Fórum Forró de Raiz RJ).

Continuar lendo

“Vassouras”, de Luiz Gonzaga, recebe novos arranjos e adaptações em novo álbum de Marcus Lucenna

Marcus Lucenna regrava clássico "Vassouras"Lançada em 1956, no álbum Aboios e Vaquejadas, a música “Vassouras”, de Luiz Gonzaga em parceria com David Nasser, acaba de ganhar uma regravação. O xote que enaltece o município fluminense que serviu de refúgio para o Rei do Baião está agora no álbum “Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz”, que o poeta-cantador membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC) acaba de lançar. Nessa nova versão, que está sendo muito elogiada pelos críticos, Marcus Lucenna faz algumas atualizações na letra, de ordem geopolítica e lexical.

Continuar lendo

Álbum Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz já está em streaming

Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz

Já está disponível nas principais plataformas de streaming, como o Spotify, e serviços de compra online o CD “Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz”, o 15º álbum do poeta-cantador. O novo trabalho, independente, foi lançado oficialmente dia 18 de agosto, em Fortaleza, e celebra os seus 30 anos de estrada, que serão completados em 2019. A efeméride faz referência ao primeiro LP (Cantolínia Psicordélica), lançado em 1989 pela PolyGram, uma das maiores gravadoras do mundo à epoca.

No álbum, com 15 faixas, Marcus Lucenna reúne regravações em novos arranjos de sucessos autorais, de canções compostas em parceria com outros artistas e de clássicos do forró de compositores que lhe serviram de inspiração, como Luiz Gonzaga – cuja morte também completará 30 anos em 2019. Militante da cultura popular nordestina, Marcus Lucenna escolheu o repertório com vista a refazer musicalmente as suas jornadas de vida e artística, que se misturam à história do forró e se entrecruzam com figuras importantes do gênero.

Confira alguns destaques:

Continuar lendo

Quarenta anos depois, Marcus Lucenna faz canção-resposta a “Sampa”, de Caetano Veloso

Foto: Divulgação

Em “Sampa”, canção composta em 1978, Caetano Veloso faz uma homenagem a São Paulo com uma bela poesia, mas em termos um tanto desabonadores para a cidade. Fala da “dura poesia concreta de tuas esquinas”, da “deselegância discreta de tuas meninas”, “da força da grana que ergue e destrói coisas belas” e “da feia fumaça que sobe, apagando as estrelas”.

Em canção do seu novo álbum, “Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz”, o 15º da carreira, o poeta-cantador, que é membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC), provoca Caetano Veloso falando dos atributos de São Paulo, em especial da mulher paulistana. A resposta a Caetano vem logo na segunda faixa do CD, batizada de “APMAS” (O Avesso do Avesso). Sob uma perspectiva nordestina, tanto na letra como na melodia – em ritmo de samba com toque de forró dado por triângulo, sanfona e viola misturados ao pandeiro –, o poeta potiguar rasga elogios à menina considerada “deselegante” por Caetano Veloso.

Continuar lendo