“Vassouras”, de Luiz Gonzaga, recebe novos arranjos e adaptações em novo álbum de Marcus Lucenna

Marcus Lucenna regrava clássico "Vassouras"Lançada em 1956, no álbum Aboios e Vaquejadas, a música “Vassouras”, de Luiz Gonzaga em parceria com David Nasser, acaba de ganhar uma regravação. O xote que enaltece o município fluminense que serviu de refúgio para o Rei do Baião está agora no álbum “Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz”, que o poeta-cantador membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC) acaba de lançar. Nessa nova versão, que está sendo muito elogiada pelos críticos, Marcus Lucenna faz algumas atualizações na letra, de ordem geopolítica e lexical.

Continuar lendo

Álbum Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz já está em streaming

Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz

Já está disponível nas principais plataformas de streaming, como o Spotify, e serviços de compra online o CD “Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz”, o 15º álbum do poeta-cantador. O novo trabalho, independente, foi lançado oficialmente dia 18 de agosto, em Fortaleza, e celebra os seus 30 anos de estrada, que serão completados em 2019. A efeméride faz referência ao primeiro LP (Cantolínia Psicordélica), lançado em 1989 pela PolyGram, uma das maiores gravadoras do mundo à epoca.

No álbum, com 15 faixas, Marcus Lucenna reúne regravações em novos arranjos de sucessos autorais, de canções compostas em parceria com outros artistas e de clássicos do forró de compositores que lhe serviram de inspiração, como Luiz Gonzaga – cuja morte também completará 30 anos em 2019. Militante da cultura popular nordestina, Marcus Lucenna escolheu o repertório com vista a refazer musicalmente as suas jornadas de vida e artística, que se misturam à história do forró e se entrecruzam com figuras importantes do gênero.

Confira alguns destaques:

Continuar lendo

Quarenta anos depois, Marcus Lucenna faz canção-resposta a “Sampa”, de Caetano Veloso

Foto: Divulgação

Em “Sampa”, canção composta em 1978, Caetano Veloso faz uma homenagem a São Paulo com uma bela poesia, mas em termos um tanto desabonadores para a cidade. Fala da “dura poesia concreta de tuas esquinas”, da “deselegância discreta de tuas meninas”, “da força da grana que ergue e destrói coisas belas” e “da feia fumaça que sobe, apagando as estrelas”.

Em canção do seu novo álbum, “Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz”, o 15º da carreira, o poeta-cantador, que é membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC), provoca Caetano Veloso falando dos atributos de São Paulo, em especial da mulher paulistana. A resposta a Caetano vem logo na segunda faixa do CD, batizada de “APMAS” (O Avesso do Avesso). Sob uma perspectiva nordestina, tanto na letra como na melodia – em ritmo de samba com toque de forró dado por triângulo, sanfona e viola misturados ao pandeiro –, o poeta potiguar rasga elogios à menina considerada “deselegante” por Caetano Veloso.

Continuar lendo

Marcus Lucenna lança CD em Fortaleza e abre as comemorações pelos 30 anos de carreira

Credito: Arievaldo Viana

Marcus Lucenna (Foto: Arievaldo Viana)

O novo CD “Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz” será lançado dia 18 de agosto em show em Fortaleza. Será durante a III Feira do Cordel Brasileiro, que acontece entre os dias 16 e 19 na CAIXA Cultural da capital cearense, evento do qual o poeta-cantador participa também na condição de membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC). O espetáculo, que tem entrada franca, começa às 18h e terá as participações especiais de Adelson Viana (sanfona) e Tarcísio Sardinha (violão), que assinam os arranjos e a regência do novo álbum.

“Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz” é o 15º álbum do artista. O nome faz alusão à sua história de vida e trajetória artística, que se misturam à história do forró e de suas personalidades, entre elas Luiz Gonzaga. O repertório foi escolhido para representar musicalmente essa jornada. O álbum reúne, além de músicas inéditas, regravações em novos arranjos de sucessos autorais, de canções compostas em parceria com outros artistas e de clássicos do forró de compositores que lhe serviram de inspiração. O show na CAIXA Cultural de Fortaleza, além de marcar o lançamento do novo álbum, abre a série de apresentações em comemoração aos 30 anos de carreira, que serão completados em 2019.

Continuar lendo

A pedido de Lula, Marcus Lucenna cantará “Asa Branca” no festival na Lapa

MlucennacomLulaPreso em Curitiba, o ex-presidente Lula tomou conhecimento na quarta-feira (25) da setlist do Festival Lula Livre, que vai reunir mais de 40 artistas para show-manifesto nos Arcos da Lapa, no Rio, às 14h deste sábado.

Ao ver na lista o nome do único forrozeiro da programação – o cantor e compositor potiguar Marcus Lucenna -, Lula, que é pernambucano, fez um pedido especial: quer que o artista cante “Asa Branca”, do seu conterrâneo Luiz Gonzaga.

A canção aborda de forma poética o drama dos retirantes e da seca no nordeste. O pedido será atendido por Marcus Lucenna, que apresentará também “O Salvador Daqui”, canção do seu novo CD em que denuncia a exclusão social de negros e retirantes.

Marcus Lucenna cantará no Festival Lula Livre neste sábado

Marcus Lucenna

Marcus Lucenna

Ao lado de nomes como Chico Buarque, Gilberto Gil e Beth Carvalho, o poeta-cantador Marcus Lucenna participa neste sábado (28/7), no Rio de Janeiro, do Festival Lula Livre, evento político-cultural em defesa da soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mais de 40 artistas se apresentarão a partir das 14h no palco que será montado nos Arcos da Lapa, região central da cidade.

O forrozeiro apresentará duas canções. Uma delas é “Asa Branca”, de Luiz Gonzaga. O pedido veio do próprio ex-presidente, que na quarta-feira tomou conhecimento da setlist. Marcus Lucenna é o único forrozeiro da programação.

A outra canção é “O Salvador Daqui”, faixa do seu novo CD “Marcus Lucenna na Corte do Rei Luiz”, com lançamento dia 18 de agosto. Na letra, o cantor e compositor potiguar faz um trocadilho com o nome do pintor catalão Salvador Dalí para denunciar a situação de exclusão social de crianças, negros e retirantes, moradores das favelas e periferias das grandes cidades. Também faz referência a “Guernica”, obra de Pablo Picasso que denunciou os horrores da Guerra Civil Espanhola e a divisão do povo espanhol. Trata-se de um alerta para a polarização política brasileira e um clamor pela pacificação do país.

Continuar lendo

Editora IMEPH terá caminhão para cordel e repente na Bienal do Livro de SP

A 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo (3 a 12/08) terá pela segunda edição seguida um espaço exclusivo criado para resgatar a Cultura Popular Nordestina. Denominado Cordel e Repente e organizado pela Editora IMEPH, o espaço contará com um caminhão personalizado dentro do pavilhão, que se transformará em um grande palco para artistas que se expressam através dessa literatura. Marcus Lucenna está entre eles (em breve mais informações no blog).

“O Espaço do Cordel e Repente se consolidou como uma ação de grande porte na divulgação, preservação e disseminação das artes e saberes ligados a cultura tradicional nordestina. Com muita satisfação, vamos levar esse ano cerca de 100 artistas entre cordelistas, repentistas, escritores, músicos e contadores de histórias. Na edição de 2016, fomos eleitos pelo Instituto Data Folha como o segundo espaço mais visitado da 24ª Bienal, esse ano, gostaríamos de ser o primeiro”, comenta Lucinda Marques, curadora do espaço.

Continuar lendo